Esse ano, o Dia da Língua Portuguesa, celebrado em 10 de junho, traz inúmeras reflexões sobre o futuro da educação. Entre os temas, o provável aumento de índices de evasão escolar, entra com uma das principais consequências desse período prolongado de paralisação das atividades presenciais em salas de aula, por conta da pandemia. Dados revelam, que países que passaram por crises similares, destacam maior risco de abandono e evasão escolar, além de impactos emocionais de curto e longo prazos, como o aumento da ansiedade e falta de concentração.

A nota técnica do Todos Pela Educação “O retorno às aulas presenciais no contexto da pandemia da Covid-19: contribuições para o debate público”, lançada no dia 7 de maio, ressaltou que para que responder esses desafios, as redes de ensino precisarão, necessariamente, envolver outros setores, especialmente a saúde, com atendimento psicológico para estudantes e professores, além da assistência social, em ações de prevenção e busca ativa a estudantes que apresentam risco de abandono, entre outras.

“Por conta da pandemia, somada ao isolamento social e a junção das atividades em home office, o desafio de manter os alunos engajados nos estudos é muito grande. As redes de ensino de todas as escalas e setores estão buscando alternativas para reduzir os prejuízos na aprendizagem de seus alunos”, comenta o CEO da fintech especializada em crédito para pós-graduação e MBA, Intersector, Kleber Câmara.

Financiamento como aliado

A taxa de evasão nas instituições de ensino superior (IES) continua muito preocupante no Brasil. Em 2018, a 8ª edição do Mapa do Ensino Superior, mostrou que a evasão dos cursos do ensino superior no país atingiu 30,1% na rede privada e 18,5% na rede pública. Nos cursos de educação a distância (EAD), o índice chegou a 36,6% na rede privada e a 30,4% na pública.

De acordo com o último Censo da Educação (2017), disponibilizado pelo Ministério da Educação (MEC), a quantidade de alunos que abandonaram seus cursos ou trancaram a matrícula é alarmante. Em alguns cursos a taxa de evasão ultrapassou os 50%. As causas para os altos índices, seja na rede pública ou privada, são várias, mas entre elas: a vontade de trocar de curso, falta de recursos e assistência e incapacidade de conciliar o estudo com o trabalho.

 

Para Kleber, o impacto da evasão no ensino superior pode ser sentido também, fortemente, nas matrículas para as instituições que oferecem programas de pós-graduação. Segundo ele, em todos os níveis, as escolas de ensino superior e as de pós-graduação e MBA, devem desenvolver um sistema de comunicação e uma forma de checagem diária com cada aluno. “Além desses aspectos, é necessário que as instituições se aproximem dos alunos, se sensibilizando e mostrando que compreendem o difícil período. É necessário abrir canais de comunicação para manter o aluno próximo e seguro, evitando o abandono”.

Ainda segundo o Censo, pelo menos 40% dos estudantes apontam as dificuldades financeiras como o principal motivo de abandono da sala de aula. Atualmente, com a pandemia, além dos aspectos comportamentais, a incerteza sobre os aspectos financeiros, por conta da crise, devido ao momento de isolamento social e ao fechamento do comércio, muitos alunos já ficaram desempregados, elevando sua inadimplência.

É esperado que as escolas se depararem com novos e complexos desafios, que só poderão ser devidamente enfrentados se houver apoio de outras áreas, como o setor financeiro.  A Intersector, uma financiadora apoiada por um Fundo de Investimentos, acredita que a educação seja o único caminho para transformação da sociedade, oferece diversas soluções integradas para as instituições de ensino parceiras, desde o financiamento de seus programas de pós-graduação e MBA até estratégias para impedir/reduzir a evasão e a inadimplência, que serão os grandes desafios das instituições durante e pós-pandemia.

“A parceria com uma financiadora que ofereça taxas de juros menores, prazos maiores, parcelas mais acessíveis e sem a burocracia das instituições financeiras tradicionais, aumenta a captação de alunos para escolas, gera mais receita, possibilitando a antecipação de receita, além de minimizar a evasão e expandir as oportunidades de negócios. Além disso, contribui para que os alunos não desistam dos sonhos, permitindo que a escola foque naquilo que é a sua expertise, a educação”, ressalta o Kleber.

Se tornar uma escola parceira da Intersector e ampliar a captação de alunos é muito simples, ao contrário do que se pode imaginar. É exatamente por facilitar a vida das instituições que desejam crescer que a fintech já ajudou diversas escolas em todo o país a aumentarem seu quadro em milhares de novos alunos e, consequentemente, sua receita.

“As instituições irão se deparar com desafios que só poderão ser enfrentados com o apoio de outras áreas e nós, da Intersector, estamos dispostos à ajudá-las, oferecendo propostas de financiamentos, com as menores taxas de juros e prazos mais longos, para que as alunos não desistam do sonho de conquistar uma pós-graduação na escola e curso que sempre sonhou”, finaliza o CEO.

Share on facebook
Facebook
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para o topo
Open chat
Posso ajudar?